Notas ao café…

Chávez e Uribe “pedem” ajuda

Posted in notas ao café by JN on Novembro 30, 2009


Arcadio, «La Prensa»

Será difícil de encontrar na América Latina, dois líderes que se entendam pior que o Presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o da Colômbia, Alvaro Uribe. Mas há algo em os dois estão de acordo, agora que o conflito entre os dois países pode passar para o nível militar; o actual conflito não pode ser resolvido sem mediação internacional:

[...] The border between the two nations, with illegal armed groups, increased military presence, and protests over closures, makes the situation even more precarious, says Ms. Cardozo. “This is not a normal zone,” she says.

And backing down for both men will likely require outside help; many observers say that the two leaders will not be able to come to terms without a third party. “If there was any situation that demands outside help and intervention, it’s this one,” says Mr. Shifter. “The lack of trust is so deep.”

Brazil had offered to mediate between the neighboring nations but Chávez rejected any third-party arbitration out of hand. He said, however, that he would debate the issues in a multilateral forum.

On Sunday, Venezuela’s Deputy Foreign Minister Francisco Arias Cardenas said the dispute should be mediated by the 12-country Union of South American Nations.

Both Uribe and Chávez are expected at a regional summit meeting on climate change in Manaus, Brazil, on Nov. 26, but the two leaders have said they will not meet one-on-one.

“The quiet American”

Posted in notas ao café by JN on Novembro 30, 2009

A reportagem principal da The Economist de 28 de Novembro é sobre o Presidente Barack Obama e a sua política internacional. Será a estratégia do Presidente americano subtil e inteligente ou fraca e ingénua? Como escreve a The Economist, o mundo está prestes a descobrir:

[...] Calm and conciliatory pragmatism is welcome after George Bush’s impetuous moral certitude, but it also carries risks. Critics on the American right are wrong to carp at Mr Obama’s bowing to kings and emperors. Simple courtesy will help restore America’s image, not diminish it. The trouble is that the president often seems kinder to America’s rivals than to its friends. His guest this week, Manmohan Singh, India’s prime minister, may well have moaned about Mr Obama’s kid-glove handling of China. Allies in eastern Europe, their soldiers dying in Afghanistan, resent being called mere “partners”, Mr Obama’s term for pretty much anyone (see article). The hapless Gordon Brown has got precious little thanks.

[...] In the coming weeks he could prove the doubters wrong. He could lead the way towards a brave deal on the climate. He could press Iran to negotiate over its nuclear programme before his own end-of-year deadline—or secure Russian backing for sanctions. He could agree to cut nuclear arms with Russia. He could bully the Palestinians and Mr Netanyahu to agree to talk. And he could get Mr Karzai and Pakistan to show that they mean to make Afghanistan governable. Even part of that list would set up Mr Obama as a foreign-policy president. But if there is no progress, then Mr Obama will be cast as starry-eyed and weak. He himself recognised the danger of that in one of those golden speeches: “Rules must be binding. Violations must be punished. Words must mean something.”


Stavro, «Al Balad»

O acordo “secreto” de Obama

Posted in notas ao café by JN on Novembro 30, 2009


Paresh Nath, «The Khaleej Times»

Barack Obama, embora ele e outros líderes já tenham decidido que o resultado final de Copenhaga não será vinculativo, com a sua proposta de reduções nas emissões de CO2 colocou algumas novas expectativas na quase dada como moribunda nesta cimeira sobre o clima. E as expectativas parecem ter algum fundamento; um dia depois do anúncio do Presidente Obama, o governo chinês anunciou que irá reduzir a taxa de crescimento das emissões em 2020 entre 40 a 45 por cento, comparada aos níveis de 2005.


Petar Pismestrovic, «Kleine Zeitung»

Para Richard Wolffe, no The Daily Beast, isto não é coincidência e escreve que Barack Obama trouxe algum tipo de acordo da sua viagem à China:

After the Olympic-sized disappointment of his last trip to Copenhagen, why on earth would President Obama want to travel once again to the Danish capital for next month’s UN climate talks?

The answer, according to White House officials, lies in several weeks of intensive behind-the-scenes diplomacy that the press corps entirely overlooked during Obama’s recent trip to China, and during the recent state visit by India’s prime minister.

Beyond the photo ops and press statements, Obama was pushing President Hu Jintao and Prime Minister Manmohan Singh for the kind of climate deals that eluded him at the G8 summit in Italy in the summer – and have eluded international negotiators for the last decade. China and India have played central roles in blocking past agreements, alongside the US, in a seemingly intractable dispute between fast-developing economies and the older, wealthier polluters.

Now Obama is at the point where he feels on the verge of a breakthrough, based on the kind of talks that don’t get covered by reporters obsessing about state dinners. “He had extensive conversations with President Hu specifically on climate and conversations with the prime minister of India,” said one senior White House aide. “So he has been building momentum for a political agreement to be brokered at Copenhagen.”


Frederick Deligne

Climategate: a natureza humana

Posted in notas ao café by JN on Novembro 30, 2009


John Cole, «The Scranton Times-Tribune»

Um dos principais centros de estudo das alterações climáticas, Hadley Climatic Research Centre da Universidade de East Anglia em Norwich, foi atacado por heckers tendo sido copiados mais de mil ficheiros, onde se incluem 1079 e-mails e 72 documentos trocados ao longo dos últimos 18 anos. Estes revelam o pior lado do que se passa dentro da máquina do IPCC. A informação foi distribuída pela Internet e está a fazer as delícias de todos os cépticos. Em alguns dos e-mails cientistas falam sobre a necessidade de esconder certos dados que podem colocar em causa a teoria do aquecimento global. Mas como se escreve no RealClimate foi apenas divulgado o que interessaria.

Eugene Robinson, no Washington Post, escreve que mais importantes do que uns e-mails trocados são as evidências que constatamos todos os dias; se calhar alguém devia dizer ao clima que tudo não passa de uma vasta conspiração de alguns cientistas pouco conscienciosos. Todo o ruído que o climategate causou é de pouca importância, como Jim Manzi escreve, o problema é outro e mantém-se:

[...] The root problem here is not the eternal perfidy of human nature, but the fact that we can’t run experiments on history to adjudicate disputes, which makes this less like chemistry or physics than like economics or political science.

In human terms, the scandal is obviously a PR disaster for those who believe that climate reconstruction is “science” in the sense we normally use the term, but what it does not change is the basic physics of how CO2 molecules interact with radiation. As I have always argued, this is the real basis for rational concern about greenhouse-gas emissions, and is a key reason that all the major national scientific academies agree that the greenhouse effect is a real risk. Recognizing this risk, however, does not entail accepting the political conclusion that we need laws to radically reduce emissions at enormous cost.

Na The Economist escreve-se que a ortodoxia política não pode silenciar argumentos científicos:

[...] This newspaper believes that global warming is a serious threat, and that the world needs to take steps to try to avert it. That is the job of the politicians. But we do not believe that climate change is a certainty. There are no certainties in science. Prevailing theories must be constantly tested against evidence, and refined, and more evidence collected, and the theories tested again. That is the job of the scientists. When they stop questioning orthodoxy, mankind will have given up the search for truth. The sceptics should not be silenced.


Frederick Deligne

2012

Posted in notas ao café by JN on Novembro 30, 2009

Como tantos outros decidi ver 2012 este fim-de-semana e o filme é tudo o que se diz dele: um monumental espectáculo visual. Penso que é esse o principal objectivo do filme, uma espectacular, e todos os níveis atingida, destruição deste nosso planeta. E digo isto porque a história é completamente banal e em nada foge aos estereótipos deste tipo de filme. Uma antiga civilização que apesar de não ter os nosso meios tecnológicos consegue prever com exactidão a fim da Terra; o jovem cientista que avisa o Presidente (o americano, claro), o esforço conspirativo que um grupo de líderes vai fazer para que a humanidade não seja extinta, conseguindo esconder tudo de 6,7 mil milhões de pessoas — não deixa de ser curioso que é o moribundo G8 mais a China que tem em mãos salvar a humanidade.


Joe Heller, «Green Bay Press-Gazette»

Mas com 2012 como pano de fundo, é sobre o fim do mundo que Joshua Keating escreve na Foreign Policy. O Apocalipse não deverá acontecer em 2012, mas eventualmente acontecerá um dia; Keating enumera as formas de como este poderá acontecer, mas sem grandes preocupações sobre isso:

[...] How it could happen: There are any number of theories for how human civilization — the world as we know it — might end. Some are natural: supervolcanoes erupting like the one in Yellowstone National Park that could severely alter the Earth’s climate or a gamma-ray burst from a star that would cause dangerous radiation in the Earth’s atmosphere. Others are man-made: overpopulation causing a food crisis or the accidental development of dangerous new technologies.

How likely is it? Sooner or later, the world will end. In about 5-8 billion years, according to astronomers’ estimates, our sun will burn out the last of its hydrogen into helium and will balloon up into a red giant hundreds of times its current size, dragging the Earth to its inevitable doom. Even if the planet escapes destruction, it’s atmosphere and oceans will be boiled away. Human beings have only been around for a small fraction of that time — around 200,000 years — and one way or another, the chances of us being around for the real end of the world are pretty slim.


Cardow, «The Ottawa Citizen»

Made in China

Posted in notas ao café by JN on Novembro 28, 2009


Henry Payne, «The Detroit News»

Em 2008, a China superou a França e passou a ser o terceiro maior mercado mundial de arte, logo a seguir aos EUA e Reino Unido. Graças às mudanças políticas que ocorreram na China, que antes proibiam a posse, herdar ou comercializar artefactos anteriores ao regime comunista, os chineses estão agora a investir neste mercado. Mais tesouros chineses estão agora a ser vendidos em Hong Kong do que em Nova Iorque, Londres ou Paris. No último mês, na Sotheby’s em Hong Kong, foi batido um recorde mundial por uma peça de mobiliário chinesa, quando um trono da dinastia Qing feito em madeira de sândalo, que pertenceu ao imperador Qianlong, foi arrematado por onze milhões de dólares.

[Fonte: The Economist]

“Nada a esconder”

Posted in notas ao café by JN on Novembro 27, 2009


Paresh Nath, «The Khaleej Times»

Ali Asghar Soltanieh, o embaixador iraniano na Agência Internacional de Energia Atómica, numa entrevista à Der Spiegel, explica porque o Irão irá continuar com o seu programa de enriquecimento de urânio, quer o resto do mundo goste ou não, e porque é que os países ocidentais deviam ajudar o seu país no seu esforço nuclear, em vez de o ameaçar:

[...]

SPIEGEL: If Iran doesn’t come around, the Israelis might carry out just this kind of military attack, seeing as they feel particularly threatened. US President Barack Obama is considering new sanctions, and even China and Russia seem to be losing their patience.

Soltanieh: Don’t threaten us. We’re not going to abandon our enrichment activities in Iran. We are proud that we have mastered the nuclear fuel cycle, and no one can strip us of this ability. We also aren’t going to allow ourselves to be blackmailed on the basis of our fuel problem. If other countries don’t want to help us, we’ll be forced to simply make highly enriched uranium ourselves. The material is vitally important for helping us treat cancer patients in our hospitals using radiation therapy.

A Fortaleza Europa

Posted in notas ao café by JN on Novembro 27, 2009


Inmigración
Angel Boligan

Milhares de imigrantes ilegais morreram nos últimos os anos ao tentar chegar à Europa. A Der Spiegel escreve que não há qualquer registo por parte dos governos europeus de quantos morreram ao tentar chegar ao continente europeu, nem ninguém tenta saber quem eles eram. Mas como escreve a Spiegel, estes têm nome, uma história e muitas outras para contar, se se souber onde as procurar:

There were 18 people on board the Zodiac: 17 Afghans and one Turk who didn’t know the way. In the last stretch of the 90-minute boat trip from the Turkish coast town Kucukkuyu to the Greek island Lesbos, the autumn wind threw them on the cliffs. Ten Afghans survived. The others, including a couple and their three children, ended up in the graves for the unknown refugees at Mytilini cemetery. They are buried at a distance from the flower-draped tombstones of the local Greek people, on the far end of the graveyard, close to the trash.

Few graves here carry names. Most only have numbers written on signs on top of the graves, themselves little more than molehills surrounded by bricks: Afghan 1, Afghan 5, Afghan 11. There are no names, no dates of birth, just the day they drowned off the coast: Oct. 29, 2009; Oct. 3, 2007; Nov. 25, 2007.

No one knows who they are, says an Afghan immigrant who survived the trip from Turkey on a rubber dinghy seven years ago. He is the only person who visits the anonymous graves on a weekly basis. “No one wants to know them,” he says. “That is the problem.”

[...] No official records are kept of the migrants who die attempting to reach Europe. No government within the European Union is trying to discover their names; no authority knows how many are killed on the external borders of “Fortress Europe.”

There are organizations that attempt to count the victims. United against Racism, a group that originated in the squatters movement, clips out reports from local papers and adds up the dead. They have counted 13,000 deceased migrants en route to Europe since 1994. Some died in shipwrecks off the Spanish coast of Lanzarote, some collapsed on their way through the Libyan desert, others stepped on Greek landmines near the Turkish border. The list is endless.

Tudo ou nada…

Posted in notas ao café by JN on Novembro 27, 2009


Scott Stantis, «Chicago Tribune»

Yana Kunichoff, na Truthout, escreve que uma “batalha épica” está prestes a começar no Senado norte-americano: a luta pelo projecto de lei do Presidente Obama para a reforma do sistema se saúde americano. A administração pretende criar um plano de seguro público para concorrer com as seguradoras privadas e dar cobertura a milhões de americanos que não têm seguro de saúde.


Pat Bagley, «Salt Lake Tribune»

A tentativa por parte dos Republicanos (e dos lobbys das companhias de seguros) de impedir o projecto de reforma do sistema de saúde americano de seguir para o Senado falhou. Começa agora a batalha no Senado; se o projecto de lei passar, para cerca de 47 milhões de americanos sem seguro de saúde e a outros com seguro parcial ou no risco de o perder, terão uma boa notícia. Nada está decidido ainda e o Preesidente Obama poderá sofrer uma derrota — e 47 milhões de americanos também — como escreve a The Economist:

[...] So there are snags aplenty, but there is no denying the fact that health reform has come further this year than it has in decades. It may still end in an ignominious defeat for Mr Obama, as it did for Bill Clinton’s efforts in the mid-1990s, though that could be a blessing in disguise for those genuinely concerned about the need to control costs. Jeffrey Flier, the dean of Harvard’s Medical School, put it this way recently: “While the legislation would enhance access to insurance, the trade-off would be an accelerated crisis of health-care costs and perpetuation of the current dysfunctional system—now with many more participants. This will make an eventual solution even more difficult.”

But there is just a chance that the proposals will fly. In their favour is the fact that many millions more are uninsured or underinsured today than during the Hillarycare debacle in 1993-94. This adds to popular pressure for change. Over 97% of the bills proposed since 1999 that managed to secure enough votes for Senate debate went on to pass eventually—though most of them, unlike the health proposals, did not get there by the skin of their teeth.


Matt Daves, «The Journal News»

Uivo de Liberdade

Posted in livros ao café by JN on Novembro 27, 2009

“O céu estava limpo e o ar, pela sua própria leveza, instalava uma sensação de paz e bem estar na alcateia. Um pequeno pássaro cantava, invisível, num arbusto. Algures, no cimo de uma árvore, um esquilo-vermelho tagarelava. Um renque de faias farfalhava as suas folhas em forma de coração e, acima, soavam os suspiros mais ásperos dos pinheiros.
Siverfeet rolou sobre o peito e bocejou. Sorria. E de súbito, ali deitado, apontou a cabeça para o céu e deu largas à sua satisfação numa série de uivos musicais. Imediatamente todos os lobos se lhe juntaram, alguns sentando-se, outros erguendo-se. As sua vozes elevavam-se e baixavam num concerto espontâneo, incitado por uma alegria eufórica.
A agradável melodia pairou sobre a floresta e desvaneceu-se. Siverfeet bocejou de novo e rolou sobre o flanco, pousando a cabeça numa das grandes patas.
Em tempos, anos antes, uivara a sua angústia. Hoje, uivava a sua liberdade.”

R. D. Lawrence, in «Uivo de Liberdade»


Dave Granlund

Lobo, o eterno inimigo

Posted in notas ao café by JN on Novembro 27, 2009


“Wolf” by Chelsea

Lavradores e criadores de gado têm um inimigo ancestral, o lobo. Nos dias de hoje, tempos onde os lobos já são quase extintos, estes continuam a ser um dos principais inimigos. A região transmontana e as províncias espanholas vizinhas não são excepção — as histórias sobre lobos ainda preenchem muitos serões.

Cada ataque, seja culpado ou não, é uma ameaça à existência do lobo. Para a preservação dos poucos lobos que ainda existem, muitos governos optaram por indemnizar os criadores pelos prejuízos causados por estes ataques. É o caso da Espanha, onde cerca de 1,5 milhões de euros são pagos como compensação dos danos de que os lobos são acusados. Em 2003 e 2004, por exemplo, 432 animais foram atacados em 154 incidentes no País Basco. Quase 95 por cento destes ataques foram atribuídos ao lobo. Em Portugal, o Instituto de Conservação da Natureza paga cerca de 700 mil euros por anos em indemnizações.

Como escreve a The Economist, tendo como referência o País Basco, boa parte destes ataques são feitos por cães. Em 86 ataques as análise revelaram que apenas 31 forma causados pelo lobo, 53 por cães — dois foram da responsabilidades de rapozas. Em alguns casos, os investigadores suspeitaram que carcaças de animais mortos foram “deixadas” para o lobo; o alarme do “ataque” veio depois:

[...] Both wolves and dogs ate cattle and horses, though in small numbers. Mr Echegaray and Dr Vilà suspect that these meals were actually scavenged from the carcasses of beasts that had died of other causes. That is partly because both cattle and horses would be large and difficult prey for either a wolf or a dog, and partly because all but 8% of reported attacks on livestock were on sheep.

[...] They do not address the question of whether farmers genuinely believe wolves are doing most of the damage, or merely find that belief convenient because of the compensation. Either way, though, it looks as if the finger of blame is being pointed at the wrong animal. Wolves are indeed big, and may sometimes be bad, but in this part of the world the shepherd’s worst friend is a dog.


Lobo Ibérico (Canis lupus signatus)

A decisão de Obama

Posted in notas ao café by JN on Novembro 26, 2009


Mike Keefe, «The Denver Post»

Segundo o New York Times o Presidente Obama já tomou uma decisão quanto à nova estratégia para o Afeganistão. O Presidente prepara-se para anunciar o envio de 25 a 30 mil militares para aquele país:

[...] At a news conference in the East Room with Prime Minister Manmohan Singh of India, Mr. Obama suggested that his approach would break from the policies he had inherited from the Bush administration and said that the goals would be to keep Al Qaeda from using the region to launch more attacks against the United States and to bring more stability to Afghanistan.

“After eight years — some of those years in which we did not have, I think, either the resources or the strategy to get the job done — it is my intention to finish the job,” he said.

Caroline Lucas, no The Guardian, escreve que a missão da NATO falhou e é tempo de pensar um acordo de partilha do poder para permitir uma retirada rápida:

[...] Some are rightly concerned that if foreign troops leave, there will be even more bloodshed. Withdrawal will create a power vacuum that al-Qaida and the Taliban can occupy. However, we know that the current strategy is not working. What people want more than anything is security – and more military action will not bring security. We must halt offensive missions now.

At the same time, the international community must increase the humanitarian and reconstruction effort, build capacity and promote good governance. Following our misguided foreign policy endeavours, we have a responsibility to leave the country in order. We need to genuinely win hearts and minds, tackle corruption head-on, drop our misguided and unsuccessful war against drugs and instead work with farmers to promote development from the ground up. We must switch our efforts towards creating friends and allies among the people of the region, transparently operating for their interests and making every effort to hand over control of affairs as rapidly as possible.

Only Afghans can solve Afghan problems – and they must be empowered to do so without the burden of foreign occupation.


Richard Bartholomew, «Artizans.com»

De Seattle para Copenhaga

Posted in notas ao café by JN on Novembro 26, 2009


David Horsey, «Seattle Post-Intelligencer»

Na viagem à China de Barack Obama, como escreve Richard Black da BBC, ficou patente que algum tipo de acordo ainda poderia ser obtido em Copenhaga. Talvez por isso,  a Casa Branca confirmou que o Presidente Obama estará presente na cimeira em Copenhaga, que decorrerá entre 7 e 18 de Dezembro. Barack Obama que é alvo de pressões por parte de muitos líderes mundiais e apoiantes internos para tomar a iniciativa no combate às mudanças climáticas, vai propor um plano de redução das emissões americanas de gases que causam o efeito estufa em etapas, começando com 17 por cento até 2020. Esta proposta é um risco calculado, já que o Congresso nunca definiu qualquer limite.

Muitos ambientalistas consideram esta proposta ambiciosa, quando comparada com as metas da UE, já que é baseada nos níveis de emissões de 2005. E também não será fácil convencer o Senado americano para esta meta. Muitos senadores olham para este projecto como uma ameaça ao emprego americano e à sua economia; além disso, este projecto não será discutido no Senado antes de Copenhaga. Barack Obama pode considerar os problemas do clima algo urgente, boa parte dos americanos nem por isso.


Mike Lane, «Cagle Cartoons»

Quem também “prometeu” estar em Copenhaga são os protestos de muitos grupos de ambientalistas e com eles levam os protestos anti-globalização. Segundo Christopher Lawton na Der Spiegel, estes activistas esperam que os protestos em Copenhaga possam ser o começo de um novo movimento semelhante ao movimento anti-globalização que se formou depois dos motins, em 1999, durante a cimeira da Organização Mundial do Comércio, em que milhares de pessoas — entre as quais ecologistas, anarquistas, trabalhadores, estudantes, pacifistas e humanistas — mobilizaram-se por vários dias, nas ruas de Seattle. Ficou para a História como a “Batalha de Seattle”. Claro, como escreve Lawton, as autoridades dinamarquesas têm outros planos. Em Seattle, os activistas pretendiam que os líderes mundiais nada fizessem, em Copenhaga espera-se que façam realmente algo, o que implica que talvez as tácticas devessem ser diferentes; de qualquer forma o cenário está montado:

If you missed Seattle, you won’t want to miss Copenhagen. That, at least, is what Tadzio Müller, a political scientist and climate activist with Climate Justice Action — a global network of activists and non-governmental organizations committed to combating climate change — is telling people. The mass protest movement, he hopes, is turning green.

[...] Perhaps most significant, however, Müller and his group plan to storm the conference on Dec. 16 and “disrupt the sessions and use the space to talk about our agenda,” as the Climate Justice Action Web site describes it. The hope is that official delegations participating in the summit will join the protest, called “Reclaim Power.”

The actions are reminiscent of similar tactics used during the WTO protest in Seattle, when protestors were successfully able to prevent delegates from reaching the convention center where meetings were being held. [...]

Despite Müller’s protestations that he wishes to avoid violence, the Danish authorities are assuming the worst — and outfitting the police with far-reaching new powers. [...]


Oguz Gurel

O eterno jogo

Posted in palavras ao café by JN on Novembro 25, 2009

“Os instantes de grande dor ou de grande agitação, mesmo na história universal, têm uma necessidade que convence; desencadeiam um sentido da actualidade e um sentimento de tensão que nos oprimem. Essa agitação pode provocar seguidamente a vinda da beleza e da luz, assim como da loucura e das trevas; o que se produz reveste, em todo o caso, as aparências da grandeza, da necessidade, da importância; distingue-se e destaca-se dos acontecimentos quotidianos.”

Hermann Hesse, in «O Jogo das Contas de Vidro»


Oguz Gurel

Filipinas e a violência

Posted in notas ao café by JN on Novembro 25, 2009


Jason Fulford, «The New York Times»

O governo das Filipinas declarou o estado de emergência no sul do país depois de 46 pessoas terem sido mortas. Cerca de 50 advogados, jornalistas e parentes de Esmael Mangudadatu, candidato a governador da província de Maguindanao, foram raptados quando se preparavam para entregar os documentos necessários para oficializar a candidatura de Mangudadatu. Este já teria sido avisado que seria atacado se tentasse entregar os papéis pessoalmente e a comitiva era constituída principalmente por mulheres, na esperança que isso reduziria a possibilidade de um ataque.

A região de Mindinao, da qual Magindanao faz parte, é praticamente controlada por rebeldes islâmicos e o governo central não tem grande controlo sobre a região. A violência por motivos políticos é comum. No entanto, este massacre chocou o país e o governo foi obrigado a enviar o exército para evitar o escalar da violência. Os apoiantes de Esmael Mangudadatu culpam um clã rival pelo ataque.

Um grande número de jornalistas fazia parte da comitiva; a associação Repórteres Sem Fronteiras já emitiu um comunicado no qual se refere que nunca na história do jornalismo os media perderam tantas vidas num só dia

Ambiguidade vs. Pirataria

Posted in notas ao café by JN on Novembro 25, 2009

Simanca Osmani, «Cagle Cartoons»

A comissária europeia para a Sociedade da Informação, Viviane Reding, na segunda-feira advertiu a Espanha sobre o que julgava ser a intenção deste país de cortar o acesso à Internet dos suspeitos de download de “ficheiros piratas” sem recurso a tribunais; segundo a Sra. Reding, a interrupção do acesso à Internet sem recorrer a um tribunal está em conflito com a União Europeia, já que o principio da presunção de inocência, por exemplo, não seria respeitado, como escreve Leigh Phillips no Euobserver:

[...] “Repression alone will certainly not solve the problem of internet piracy; it may in many ways even run counter to the rights and freedoms which are part of Europe’s values since the French Revolution,” information society commissioner Reding told a conference of the Spanish Telecommunications Market Commission (CMT) in Barcelona telecoms on Monday.

“If Spain cuts off internet access without a procedure in front of a judge, it would certainly run into conflict with the European Commission,” she said.

[...] “The new internet freedom provision now provides that any measures taken regarding access to and use of services and applications must always respect the fundamental rights and freedoms of citizens,” Ms Reding reminded the Spanish CMT. “Effective and timely judicial review is as much guaranteed as a prior, fair and impartial procedure, the presumption of innocence and the right to privacy.”

“We need to find new, more modern and more effective ways in Europe to protect intellectual property and artistic creation.

No entanto, o Parlamento Europeu aprovou ontem o Pacote das Telecomunicações. A questão mais controversa do documento, e que dá lugar a ambiguidade, é a regulação do corte da Internet como medida contra a pirataria online. No Pacote das Telecomunicações não é absolutamente claro se os Estados-membros são obrigados a recorrer a uma autoridade judicial para cortar o acesso. Uma formulação anterior do texto, que foi rejeitada, indicava explicitamente que era necessário o recurso a tribunais.

“Quem” & “Não conheço”

Posted in notas ao café by JN on Novembro 24, 2009


Petar Pismestrovic, «Kleine Zeitung»

“Quem” para Presidente, “Não conheço” para Ministra dos Negócios Estrangeiros. É assim que escreve Carsten Volkery sobre os dois novos líderes da UE. Segundo Volkery, a eleição de Herman Van Rompuy e Catherine Ashton para os lugares de topo da UE pôs muita gente a pensar e a interrogar-se. Os dois são pouco conhecidos mas como as expectativas são baixas, os dois só as podem superar

[...] For the next two-and-a-half years, Van Rompuy will have to negotiate the outcomes of meetings with 27 heads of state and government in the European Union. He will have to quickly develop his own profile so as not to become a mere tool of France and Germany, which helped put him in office.

However the more important job, at least on paper, belongs to the new EU foreign minister. Part of her new role will be to create a new European diplomatic force that could involve as many as 7,000 people, thus pioneering a genuine European foreign policy. But the real advantage is that both Ashton and Van Rompuy are facing expectations so low, they can only exceed them.

Mas Carsten Volkery também escreve, num outro artigo, que ao escolher Herman Van Rompuy e Catherine Ashton, os líderes europeus podem estar aliviados porque as posições estão finalmente preenchidos mas têm poucas razões para sentir algum tipo de “orgulho” pela missão cumprida. Segundo Volkery, ao escolher dois “desconhecidos”, a UE perdeu mais uma vez a possibilidade de se impor no palco da política internacional:

[T]he news disappointed many observers. The two new posts were originally intended to raise the EU’s international profile. Europe was supposed to gain new weight on the global stage and to exude unity and self-confidence. Instead, the bloc’s leaders have now chosen two nobodies to represent the EU. The new top duo will first have to struggle to raise their own profiles.

The old thinking of national leaders is behind the choices. Traditionally the EU’s top jobs have only been awarded to people who pose no risk of overshadowing national leaders. Brussels has always been seen as a convenient place to park politicians who are over the hill or otherwise undesirable. The latest decision shows that that is still the case. Van Rompuy and Ashton are by nature backbenchers, not alpha dogs — and that is exactly the kind of politician who has always been shunted off to Europe. Nobody seems to care about the fact that neither of them has any significant foreign policy experience.


Rainer Hachfeld, «Neues Deutschland»

HRW vs. Raúl Castro

Posted in notas ao café by JN on Novembro 24, 2009


Petar Pismestrovic, «Kleine Zeitung»

O jornal argentino El Siglo, escreve que o mundo parece fascinado pelo Presidente americano Barack Obama e que Fidel Castro não é excepção. O antigo líder cubano não consegue parar de falar e escrever sobre o primeiro afro-americano a ocupar a Casa Branca, escrevendo quase obcecadamente sobre as suas politicas, a sua juventude e energia. Ao contrário do que se passou com o antigo Presidente George W. Bush, a quem chamou de “bêbado genocida”, Barack Obama é um “eleito” de Castro:

[...] Desde que le dejó la presidencia a su hermano Raúl en febrero de 2008, Fidel, de 83 años, publica una columna llamada Reflexiones del compañero Fidel, que es publicada por todos los medios de prensa, en manos del estado. No pasa semana en la que Castro no mencione a Obama. El jueves, en un artículo que ocupó la página entera, Castro filosofó a propósito de todo, desde el viaje de Obama a Asia hasta sus perspectivas de ser reelegido.
El mes pasado, Castro dijo que le parecía bien que le hubiesen dado a Obama el Premio Nobel de la Paz, pero sugirió que ahora debía ganárselo, parafraseando al cineasta Michael Moore.
En septiembre, afirmó que Obama había hecho un valiente llamamiento a combatir el calentamiento global. [...]


Jim Morin, «The Miami Herald»

Fidel Castro tem várias razões para elogiar Barack Obama, e uma até está ligada a interesses económicos da própria ilha. Castro precisa que o bloqueia a Cuba termine, e se há alguém capaz de fazer esse é o Presidente Obama, que até se mostra receptivo a isso. E o novo relatório da Human Rights Watch, embora pouco favorável para o governo de Raúl Castro, aponta que atitude de muitos governos para com Cuba tem que mudar:

Efforts by the US government to press for change by imposing a sweeping economic embargo have proven to be a costly and misguided failure. The embargo imposes indiscriminate hardship on the Cuban population as a whole, and has done nothing to improve the situation of human rights in Cuba. Rather than isolating Cuba, the policy has isolated the United States, enabling the Castro government to garner sympathy abroad while simultaneously alienating Washington’s potential allies.

There is no question: the Cuban government bears full and exclusive responsibility for the abuses it commits. However, so long as the embargo remains in place, the Castro government will continue to manipulate US policy to cast itself as a Latin American David standing up to the US Goliath, a role it exploits skillfully.

[...] Not only have all of these policies—US, European, Canadian, and Latin American—failed individually to improve human rights in Cuba, but their divided and even contradictory nature has allowed the Cuban government to evade effective pressure and deflect criticism of its practices.

A guerra do futebol

Posted in notas ao café by JN on Novembro 24, 2009


Hasan Bleibel, «Al-Mustakbal»

O apuramento para o Mundial da África do Sul não está a correr pelo melhor. Se a disputa entre a França e a Irlanda, depois da mão de Thierry Henry, parece já resolvida para infelicidade dos irlandeses, em África a situação parece mais greve, com a disputa diplomática e tri-partidária entre o Egipto, a Argélia e o Sudão devido à violência num jogo de futebol de apuramento. E a situação parece ser grave:

Egypt has recalled its ambassador to Algeria after World Cup qualifying football matches between the two countries resulted in a number of outbreaks of violence..

Egypt says a number of its fans who travelled to Sudan for a match on Wednesday to decide which of the sides would go to next year’s World Cup finals in South Africa were assaulted by Algerians.

Algeria beat Egypt 1-0 with local police saying that there was little violence due to the massive security operation mounted. [...]

Entretanto, o governo do Sudão convocou o embaixador do Egipto para apresentar queixa sobre as insinuações do governo egípcio nas quais as forças de seguranças sudanesas eram as culpadas pela violência. O Egipto acusa os adeptos argelinos de terem ferido 21 egípcios — teria sido uma retaliação por um jogo no Cairo onde os jogadores argelinos forma feridos por adeptos egípcios quando atiraram pedras ao autocarro da selecção do Egipto. Alguns já comparam esta disputa à famosa “guerra do futebol” entre El Salvador e as Honduras, em 1969. Talvez haja algum exagero aqui, mas quando se trata de futebol tudo é possível.


Hasan Bleibel, «Al-Mustakbal»

Putin e a cultura hip-hop

Posted in notas ao café by JN on Novembro 24, 2009

O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, assistiu recentemente a um concerto de musica rap destinado a combater o uso de drogas por parte dos jovens. O Sr. Putin compartilhou com todos o que pensa da cultura hip-hop e aparece ter-se divertido, embora ligeiramente fora do ritmo.

“Okolonolya”

Posted in notas ao café by JN on Novembro 24, 2009


Riber Hansson, «Svenska Dagbladet»

“Okolonolya” (“Próximo a Zero”) foi apresentado como uma ficção, mas os gangsters representados nas 112 páginas do livro são bem reais. O autor — embora seja escrito sob um pseudónimo, acredita-se ser Vladislav Surkov, do gabinete de Vladimir Putin e o ideólogo do Kremlin — descreve de uma forma quase chocante a vida da capital russa, com o seu comércio de “escritórios, medalhas e bónus”. É um local no qual as verbas do governo são desviadas e injectadas nos bolsos de mulheres, amantes e sobrinhas. “A corrupção e o crime organizado, ao lado das escolas e da polícia, são os pilares da ordem social”, explica um oficial do serviço de inteligência que é colega do personagem principal.

Provavelmente não existe nenhum outro país europeu – nem a Itália de Silvio Berlusconi, nem a Roménia pós-comunista – no qual os cargos políticos e a riqueza estejam tão fortemente entrelaçados quanto na Rússia. “Esse mal criou raízes profundas no nosso país e assumiu formas particularmente repugnantes”, disse o Presidente Dmitri Medvedev numa entrevista à Der Spiegel no início de Novembro. O suborno e o nepotismo são encontrados em todas as estruturas públicas, desde o sistema de saúde até os tribunais. No ano passado, a Rússia ficou empatada com o Quénia, Bangladesh e a Síria no 147º lugar no índex de corrupção da Transparency International.


Michael Kountouris, «Politicalcartoons.com»

“Desde os líderes políticos até aos os governos locais, estamos emaranhados na corrupção”, afirmou o Presidente russo, acrescentando que este mal tornou-se um facto aceite pela população russa. Segundo Dmitri Medvedev, a ideia de que o suborno constitui em crime é algo que precisa de ser assimilado pelos cidadão comum. O Presidente é um homem determinado em combater o problema da corrupção na sociedade russa, mas os seus esforços têm sido, até agora, em vão como escreve a Der Spiegel:

[T]he Russian people know that their leaders continue to line their pockets, Medvedev’s appeal for moral reform is of little avail within society at large. All it takes for Russians to lose all hope is to look more closely at their parliament, the Duma. Unlike Germany’s parliament, the Bundestag, the Duma is not an assembly of lawyers and civil servants, but a club of celebrities and the wealthy. In addition to former top athletes, the nouveau riche and the occasional shady “bisnesmeni” fill the seats of the Russian parliament. It is an open secret that many a seat in parliament has cost its holder millions.

After the collapse of the Soviet Union and the period of unbridled capitalism during the 1990s, a social order with feudalistic features has become established in Russia, a system in which the political leaders behave like feudal overlords in control of their fiefdoms.

Como alimentar o mundo

Posted in notas ao café by JN on Novembro 24, 2009

A recente cimeira da Organização para a Agricultura e Alimentação, em Roma, falhou e a declaração final da conferência não correspondeu, de um modo concreto e específico, à solicitação de 44 mil milhões de euros feita pelo director-geral da FAO, Jacques Diouf, e destinados ao desenvolvimento da agricultura, em particular na África e na Ásia. Bento XVI referiu que este deveria ser um problema prioritário e nunca ser objecto de especulação.


Paresh Nath, «The Khaleej Times»

Segundo estimativas, em 2050 a procura por alimentos de origem agrícola aumentará 70 por cento. Ao mesmo tempo verifica-se que o preço dos produtos alimentares está a aumentar colocando dificuldades na sua aquisição nos países menos desenvolvidos. Estes dois problemas forçam que os governos tomem, urgentemente, duas decisões: a de melhorar a capacidade agrícola das instalações já existentes e a tornar os mercados alimentares mais eficazes. Segundo a The Economist no artigo “How to Feed The World”, o segundo objectivo ainda está longe de ser atingido:

[...] None of the underlying agricultural problems which produced a spike in food prices in 2007-08 and increased the number of hungry people has gone away. Between now and 2050 the world’s population will rise by a third, but demand for agricultural goods will rise by 70% and demand for meat will double. These increases are in a sense good news in that they are a result of rising wealth in poor and middle-income countries. But they will have to happen without farmers clearing large amounts of new land (there is some scope for expansion, but not much) or using up lots more water (in parts of the world, water supplies are stretched to their limit or beyond). Moreover, they will take place while farmers also wrestle with the consequences of climate change, which, on balance, will do more harm than good to farmland round the world.

It may be too late to avoid another bout of price rises. Despite a global recession and the largest grain harvest on record in 2008, food prices are heading up again. Still, countries have a brief window of opportunity in which to set long-term policy goals without being distracted by panic measures. They need to do two things: invest in the productive capacity of agriculture and improve the operation of food markets.

Governments have done one but not the other. Over the past year investment has risen faster than anyone expected. But distrust of markets and a reaction against farm trade are growing. Unless governments restrain those impulses, they will undermine the gains from rising investment. [...]


Rainer Hachfeld, «Neues Deutschland»

Uma herança de Saddam

Posted in notas ao café by JN on Novembro 23, 2009


Emad Hajjaj (Jordânia)

No Iraque os EUA pretendem gastar 53 mil milhões de dólares — o maior esforço de reconstrução desde o plano Marshall — na reconstrução das infraestruturas deste país: são dezenas de milhares hospitais, estações de tratamento de água, subestações eléctricas, escolas e diversos tipos de edifícios. Mas, e como escreve o New York Times, os receios que o governo do Iraque não seja capaz de manter estas infraestruturas em funcionamento depois da retirada das forças americanas crescem em Washington:

[...] In hundreds of cases during the past two years, the Iraqi government has refused or delayed the transfer of American-built projects because it cannot staff or maintain them, Iraqi and American government officials say.

Other facilities, including hospitals, schools and prisons built with American funds, have remained empty long after they were completed because there were not enough Iraqis trained to operate them.

“As large-scale construction projects — power plants, water-treatment systems and oil facilities — have been completed, there has been concern regarding the ability of Iraqis to maintain and fund their operations once they are handed over to the Iraqi authorities,” said a recent analysis prepared for Congress by the Congressional Research Service.

The Government Accountability Office and the special inspector general for Iraq reconstruction have also issued reports in the past several months about the potential failure of American-financed projects once they are transferred to Iraq.

Mas o Iraque ainda tem outros problemas, que podem agravar o anterior, herdados de Saddam Hussein; o Iraque ainda tem 73 de sanções da ONU provocadas pela invasão do Kuwait. Nouri al-Maliki, primeiro-ministro iraquiano, pede que estas sejam levantadas.


Dave Granlund, «Politicalcartoons.com»

Os custos de uma decisão

Posted in notas ao café by JN on Novembro 23, 2009


Peray, «The Nation»

Embora a decisão do presidente de Obama sobre o envio de mais tropas para o Afeganistão seja essencialmente militar, esta terá ao mesmo tempo fortes implicações orçamentais, facto que poderá limitar o nível da presença militar americana no país. As últimas estimativas da administração apontam que o custo mais 40 mil soldados americanos e o aumento das forças de segurança afegãs, como pretende o General Stanley A. McChrystal, o comandante das forças aliadas no Afeganistão, apontam para um custo entre 40 a 54 mil milhões de dólares por ano. Mesmo que o número de tropas enviadas seja menor, segundo responsáveis americanos, o custo médio por militar é de um milhão de dólares por ano.

Portanto, mesmo o Presidente Obama opte por enviar um número reduzido de militares, os novos custos da operação no Afeganistão podem anular o projecto de poupar 26 mil milhões de dólares que o governo americano espera poupar com a retirada do Iraque em 2010 e, ao mesmo tempo, o orçamento militar pode chegar a algo como 734 mil milhões de dólares, ou seja, 10 por cento mais que o pico de 667 mil milhões obtido durante a administração Bush. Este aumento nos gastos militares seriam uma situação politicamente difícil para o Presidente, principalmente numa altura em que a economia americana está debilitada e que a administração quer reformar o sistema de saúde americano. Como escreve Christopher Drew no New York Times, os impressionantes custos desta guerra não poderão deixar de pesar na decisão do Presidente.


71507_Paresh Nath, «The Khaleej Times»

J. Michael Greig e Andrew J. Enterline, na Foreign Policy, escrevem que qualquer que seja a decisão do Presidente sobre o número de militares, pouca influência terá no panorama actual do Afeganistão:

[...] The truth is: None of the proposals would have much effect.

We used forecasts from statistical models to determine how the two strategies under Obama’s consideration might play out: the chances that insurgency will abate and democracy will strengthen, as well as the impact on the stability of Afghanistan’s democratic government and its neighbors, like Pakistan. Unfortunately, we found that regardless of what the United States does, the chance of violent insurgency remains woefully high — and that a larger force deployment might actually endanger the weak Afghan state.

A “Evita” americana

Posted in notas ao café by JN on Novembro 22, 2009


The Righter
Mr. Fish, «La Weekly/Catch of the Day»

Sarah Palin publicou uma autobiografia, Going Rogue: An American Life, na qual apresenta em outros pontos, a sua visão sobre a Evolução (“I didn’t believe in the theory that human beings–thinking, loving beings–originated from fish that sprouted legs and crawled out of the sea”), a guerra ao terrorismo global (“I knew the history of the conflict, to the extent that most Americans did), e experiência política (“There’s no better training ground for politics than motherhood”).


Dave Granlund, «Politicalcartoons.com»

Na The Economist escreve-se que uma autobiografia, desde Abraham Lincon, é algo quase indispensável para quem tem a ambição a um alto cargo nos EUA. E a 16 de Novembro, a ex-governadora do Alasca e candidata à vice-presidência em 2008 apareceu no programa de Oprah Winfrey (outra coisa indispensável) e apresentou a sua. “Going Rogue” depressa se tornou um best-seller. Desde que deixou o cargo de Governadora do Alasca, a Sra. Palin tem feito tudo para mostrar as suas convicções conservadoras anti-establishment na tradição de Ronald Reagan. Chegou mesmo a apoiar um candidato mais conservador para o Congresso em detrimento do candidato oficial do partido Republicano. A sua chegada agradou os conservadores e incomodou os republicanos moderados. Como em 2008, Sarah Palin continua a dividir o seu partido.


Mike Keefe, «The Denver Post»

E.J. Dionne Jr., no Washington Post, escreve que o partido Republicano é um partido sem qualquer tipo de estratégia a não ser impedir os Democratas e a administração de atingir qualquer tipo de objectivo; pelo meio entretêm-se com com o fenómeno Sarah. No TomDispatch.com, Max Blumenthal escreve que a Sarah Palin está a destruir o partido Republicano; quanto mais a senhora é atacada, mesmo dentro do seu partido, mais as bases gostam da senhora, mais dividido ficará o partido. Eugene Robinson, no Washignton Post, menos preocupado, chama a Sarah Palin a “Eva Perón” da política americana e que será um acto de futilidade tentar ignora-la; esta tornou-se um fenómeno da política do país mas sem consequências: com nove por cento a dizer que votariam em Sarah Palin, nunca haverá nenhum movimento que levará a senhora ao poder, mas ela ganhará muito:

[...] True believers will not mind. Palin’s unconventional trajectory and unkempt mind are seen as authentic, in the sense that we all know people who’ve had ups and downs in their lives and who couldn’t point to Kazakhstan on a map. Her success to date represents a triumph of authenticity over accomplishment. In the final analysis, I believe, that’s not enough to make her president. But others seeking the 2012 Republican nomination underestimate her at their peril.

Toward the end of her life, Eva Perón gave a famous speech in which she vowed, “I will return, and I will be millions!” Sarah Palin, our Evita, has returned — and she will make millions.


Pat Bagley, «Salt Lake Tribune»

“Conspiração” contra a América

Posted in notas ao café by JN on Novembro 22, 2009


Rob Rogers, «Pittsburgh Post-Gazette»

Nancy Franklin, na New Yorker, escreveu sobre o momento de “calma” que a América viveu durante alguns dias na rádio e na televisão. A razão desta calma foi a hospitalização de emergência, devido a uma inflamação aguda do apêndice, do comentador de rádio e da Fox News, Glenn Beck. O Sr. Beck já está novamente em forma, mesmo a tempo de culpar o Presidente Obama pelo que aconteceu em Fort Hood. Facto que não escapou, principalmente à blogosfera, foi o do Sr. Beck ter sido tratado por médicos e enfermeiras do Service Employees International Union, um sindicato alvo das críticas de Glenn Beck, por ser constituído por “radicais marxistas” que conspiram para destruir os direitos garantidos pela Constituição dos EUA.

Este homem que afirma não ter simpatia pelos Democratas ou Republicanos e que se afirma um Libertário tem uma agenda muito própria; qualquer tipo de ideia mais progressista incomoda-o e a administração Obama é o seu inimigo principal, como principal bastião da conquista socialista da América. A principal missão do Sr. Beck, nos seus programas, é denúnciar a vasta conspiração de esquerda que está a atingir o grande país que é são os EUA, sob a alçada do grande paladino do socialismo americano, o Presidente Obama. Como ama muito o seu país, acaba os seus programas na Fox em lágrimas (por acaso falsas).


Dave Granlund, «Politicalcartoons.com»

Jon Stewart, no The Daily Show, dá uma perspectiva diferente aos problemas de saúde de Glenn Beck. Antes o Sr. Beck teve problemas de hemorróidas, agora o seu apêndice é removido. Stewart  interroga-se se Beck não estará a ser vítima, também ele, de uma conspiração esquerdista:

Onde não nascer

Posted in notas ao café by JN on Novembro 20, 2009

Tayo Fatunla

Numa conferência de imprensa realizada ontem, o director da UNICEF para o sul da Ásia, Daniel Toole, afirmou que o pior lugar no mundo para alguém nascer, especialmente meninas, é o Afeganistão. A afirmação vem em resultado da publicação do relatório anual desta organização, The State of the World’s Children (relatório em pdf). Segundo este relatório, o Afeganistão tem a maior taxa de mortalidade infantil do mundo.

A falta de segurança também impede muitas das campanhas de vacinação e ao mesmo tempo tem vindo a provocar a diminuição do número de crianças que vai à escola, especialmente as raparigas. Em 2008, 317 escolas forma destruídas pelos Taliban e 124 pessoas foram mortas nesse ataques.

Karzai, segunda vez

Posted in notas ao café by JN on Novembro 20, 2009


Randy Jones, «INXart.com»

Como escreveu a Der Spiegel, Hamid Karzai e os EUA, gostem ou não, estão condenados a seguirem juntos na procura do sucesso no Afeganistão. Hamid Karzai foi reconduzido no cargo de Presidente do Afeganistão, após desistência do seu opositor Abdullah Abdullah, sob suspeita de fraude eleitoral e como chefe de um governo imerso em corrupção. Apenas um dia antes da sua tomada de posse, o Procurador-Geral do país emitiu mandatos contra cinco membros do seu governo por actos de corrupção. No seu discurso de tomada de posse, o Sr. Karzai prometeu lutar contra a corrupção, promover reformas sociais, administrativas e judiciais e formar forças de segurança capazes de substituírem os militares ocidentais.

Martin Patience da BBC, escreve que Hamid Karzai fez um discurso de conciliação e uma promessa de um novo começo, onde as três frases esperadas foram incluídas: corrupção, segurança, reconciliação nacional e unidade. Como escreve Patience, muito afegãos no sul e este do país, onde a actividade dos Taliban é maior, simplesmente desistiram do governo e olham para os Taliban como uma alternativa e este, segundo Patience,  é o maior perigo para o Afeganistão: se os afegãos não confiarem no seu governo, então de pouco irá interessar o número de militares presentes no terreno. Os líderes ocidentais, sem grande escolha possível, congratulam o Presidente do Afeganistão pelo seu discurso mas, ao mesmo tempo, avisam-no que são também esperados resultados.


Paresh Nath, «The Khaleej Times»

Entre os que assistiram à tomada de posse de Hamid Karzai, estava a Secretária de Estado americana, Hillary Clinton. A Sra. Clinton, antes de partir para o Afeganistão, concedeu uma entrevista à Der Spiegel sobre o que espera para o Afeganistão, os seus receios sobre a presença da Al Qaeda no Paquistão e sobre o Irão:

[...]

SPIEGEL: After the election fraud in favor of President Hamid Karzai — shouldn’t you insist on a government of national unity, including his challenger Abdullah Abdullah?

Clinton : Well, I think that what we are interested in is an effective government. Who the personalities are is not as big a concern as having competent, effective, honest members of the government. But we are not only looking at the government in Kabul, we are also looking at the government throughout the country. Because very often, it is local governance, as it has historically been in Afghanistan, that delivers services, that provides security. So we think more has to be done with the local government structures.

SPIEGEL: Do we understand you correctly: The US government is thinking about naming local governors or at least influencing their nomination?

Clinton : I think that a number of us — not just the United States but a number of NATO members, too — agree with what Prime Minister Brown said last week: That there has to be more accountability. We do see this as in our national security interest, but part of being successful and protecting our interest is having a better partner in Afghanistan. And we will be making our views known and we will have certain measurements of accountability that we expect. [...]

Rompuy & Lady Ashton

Posted in notas ao café by JN on Novembro 20, 2009


Herman Van Rompuy e Catherine Ashton (foto: El País).

Os 27 de forma unânime nomearam dois quase desconhecidos para os novos cargos criados pelo Tratado de Lisboa; Herman Van Rompuy, primeiro-ministro belga e o mais conhecido, é o novo Presidente da UE e tomará posse a 1 de Janeiro de 2010. Gordon Brown queria Tony Blair para Presidente mas viu-se forçado a desistir da sua pretensão e fez pressão — no que foi seguido pelos Socialistas europeus que exigiam a atribuição do cargo de Alto Representante a um membro da sua família política — que a comissária britânica para o comércio, Catherine Ashton, fosse nomeada para o posto de Alto Representante para a Política Externa.

As escolhas representam as necessidades de equilíbrio na UE: foi escolhido um homem e uma mulher, algo que de certa forma era exigido, um vem de um país pequeno e outro de um dos grandes da Europa; um é da direita europeia e outro da esquerda. A escolha tem algo de esperado e inesperado ao mesmo tempo: o Sr. Rompuy era um nome já há algum tempo considerado; Lady Ashton, Baronesa de Upholland, título que lhe foi atribuído quando foi para a Câmara dos Lordes, é a surpresa já que é relativamente conhecida na Europa mas muito pouco fora do continente. De certa forma é o “prémio de consolação” de Gordon Brown.


Dario Castillejos

Os povos felizes não têm história

Posted in palavras ao café by JN on Novembro 18, 2009

‘Os povos felizes não têm história’. De onde se infere que a supressão da história tornaria os povos mais felizes. O menor olhar sobre os acontecimentos deste mundo reencontra essa mesma conclusão. O esquecimento é o benefício que a história quer corromper. Nada, na história, serve para ensinar aos homens a possibilidade de viverem em paz. É o ensino oposto que dela se destaca – e se faz acreditar.

Paul Valéry, in «Pensamentos Maus e Outros»


Yaakov Kirschens

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 54 outros seguidores