Notas ao café…

O “sucesso” da BP

Posted in notas ao café by JN on Julho 19, 2010


J.D. Crowe, «Mobile Register»

Pela primeira vez desde Abril, a BP conseguiu estancar o derramamento de petróleo para o Golfo do México, na sexta-feira. A BP disse que as 48 horas seguintes eram cruciais, para saber se a cápsula de betão resistia à pressão interior. Cumprido esse período com aparente sucesso, a companhia decidiu prolongar os testes, temendo que a pressão interior acumulada possa fragilizar a cápsula, ou abrir outras fendas. Um responsável pelas operações disse que, ao longo deste domingo, os testes vão fornecer informações fiáveis, fundamentais para se saber se podem iniciar-se as obras da segunda fase, tentando uma solução definitiva. Até lá, as equipas de limpeza esforçam-se por devolver às praias o aspecto de outros tempos

Durante três meses, mais de 60 mil barris de petróleo diários foram derramados nas águas do Golfo contaminando os fundos marinhos e a costa de vários estados do sul do país; grupos ecologistas falam de danos irreparáveis para várias espécies aquáticas, como o atum de barbatana azul ou os emblemáticos pelicanos castanhos.


Gary Varvel, «The Indianapolis Star-News»

A BP enfrenta agora a tarefa impossível de limpar a região afectada. Embora a empresa tenha contratado milhares de pessoas para as operações de limpeza, a maior parte do petróleo que foi derramado no mar está realmente fora do alcance humano. Como resultado, a limpeza final está reservada para a natureza. Dois factores contribuíram para esta situação: primeiro, boa parte do petróleo foi derramado a elevada profundidade e moveu-se em todas as direcções através do golfo, levado por correntes desconhecidas; em segundo, a BP utilizou 4 milhões de litros de dispersantes para combater a mancha de petróleo. Capturar a maioria dos derrames é agora quase impossível de conseguir.

Joshua E. Keating, na Foreign Policy, escreve sobre os desastres ecológicos actuais que o mundo enfrenta e sem fim aparente à vista. Keating escreve sobre os contínuos derrames de petróleo que ocorrem na Nigéria — desde 1996 e já somam cerca de dois mil ocorridos — aos quais se alia a explosão de pipelines que em 2008 mataram mais de cem pessoas; os sucessivos desastres nas minas de carvão da China; a desflorestação no Haiti; o desaparecimento do Mar de Aral e a enorme “sopa” de plástico do Oceano Pacífico — a maior “lixeira” do mundo descoberta em 1997.


“The Sea is not a Garbage Dump”
Simanca Osmani, «Cagle Cartoons»

Ellen Cantarow, no TomDispatch, escreve sobre situações semelhantes às que Keating descreve na Nigéria.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: